Superchiadeira


O VIOLENT NOISE realiza aqui a última entrevista de 2018. E para fecharmos o ano com chave de ouro, convidamos a banda SUPERCHIADEIRA para uma conversa rápida e bastante interessante. Esse Power Trio faz um Stoner Rock vigoroso e potente e, através do guitarrista e vocalista Akira, iremos saber um pouco sobre a trajetória do grupo, os lançamentos, a visão sobre o cenário Underground e outros detalhes.

Confiram a nossa entrevista e vamos apoiar o nosso Underground. Maiores detalhes também podem ser obtidos no Facebook oficial da banda.

Como a banda começou?

Akira: A banda começou em 2010. Depois de muitas bandas, resolvi tentar montar a minha e criar músicas. Convidei o Rico (batera) e o Guima (baixo) que tinha conhecido de outras bandas. Com o Rico eu tinha tocado recentemente numa banda que acabou em 2009, mas o Guima tinha mais tempo que havia tocado, em 2007. Ambos aceitaram fazer um som e estamos aí até hoje.

Como decidiram a escolha do nome?

Akira: Não foi fácil e demoramos bastante para escolher um nome. Passamos um bom tempo usando outro nome (Gás Fúria), mas eu achei que as pessoas não conseguiam compreender direito quando a gente falava (rs). Assim decidi mudar para SUPERCHIADEIRA, uma referência aos pedais de distorção, em especial o Fuzz que é bem barulhento.

Quais as principais influências do grupo?

Akira: Nossas referências para o som do SUPERCHIADEIRA são Nebula, Fu Manchu, Monster Magnet, The Atomic Bitchwax e Queens of the Stone Age.

Como se dá o processo de criação tanto das composições quanto das letras?

Akira: Na maioria das vezes acabo levando riffs ou partes prontas já com a melodia para banda trabalhar junta. Dependendo da inspiração, já levo uma música completa, mas geralmente levo um “esboço” para ver como eles podem me ajudar, aí vamos acrescentando partes e detalhes. As letras são todas minhas e já as escrevo no momento em que crio as melodias vocais. Penso numa melodia e no clima da música, aí vou escrevendo numa tentativa de encaixar a letra na mesma pegada. Não gosto de usar letras já prontas, acabo sempre escrevendo na hora para usar a inspiração do momento. O assunto, me deixo livre para variar, mas no geral falo sobre coisas festivas e diversão.

Vamos falar sobre lançamentos. O que já lançaram até o momento e o que está por vir?

Akira: Nós temos um EP gravado e um clipe. Ambos foram gravados em 2015. Nosso EP tem 6 músicas e escolhemos a música “Joe” para gravar nosso primeiro clipe. No momento, estamos em processo de finalização do nosso novo EP, que será lançado no início do ano que vem. Temos também umas faixas gravadas ao vivo no estúdio V8, que pretendemos lançar em breve.


Qual a opinião de vocês a respeito do cenário Underground nacional?

Akira: Falando aqui de São Paulo, existem muitas bandas, os músicos são guerreiros. No entanto, a maioria dos shows underground tem pouco público hoje em dia. No geral tem sido difícil trazer público. Alguns eventos e casas tem gente, alguns não tem ninguém.  As bandas estão na ativa, gravando e produzindo material e isso mantém o underground vivo, mas seria bom se pudéssemos ter mais influência.

Estamos atualmente enfrentando um período político bastante crítico em nosso país e que parece estar dividindo um pouco o cenário do Rock. Qual a opinião de vocês quanto a isso e, de alguma forma, o posicionamento político exerce realmente um impacto para as bandas?

Akira: Quando formei o SUPERCHIADEIRA, muitos anos atrás, pedi para os caras evitarem falar sobre certos assuntos nas redes sociais. Política, assim como outros assuntos polêmicos, acabam gerando muita energia negativa.  Não sei dizer com exatidão o impacto que isso pode ter, mas já ouvimos histórias de shows que deram errado devido à opinião política da banda desagradar ao público. Respeito os músicos e bandas que falam sobre esse assunto, mas no nosso caso fizemos a escolha de focar na música e cultura e é sobre isso que gostamos de falar.

Vamos encerrar nossa conversa e gostaríamos de deixar o espaço aberto para vocês. Por favor, mandem um recado aos que nos acompanham.

Akira: Agradecemos o espaço cedido pelo VIOLENT NOISE. Tentem colar nos shows de bandas independentes, apoiar o rolê. Não é fácil para as bandas, então qualquer apoio é sempre bem-vindo. Sigam a gente no Facebook e Instagram que estamos sempre por aí fazendo muito barulho. Nos vemos em breve.

Fotos: Arquivo da banda


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MIRZA

GOSOTSA - O Sol tá Maior III

Maledettos