Guilherme Costa


É com grande satisfação que o VIOLENT NOISE realiza mais uma entrevista de peso. Desta vez falamos com o músico GUILHERME COSTA e ele nos relata um pouco da sua trajetória: o interesse pela música, a opção de montar uma carreira solo ao invés de uma banda, o lançamento do seu primeiro Full-length e outros detalhes interessantes.

Confiram a entrevista e prestigiem o trabalho do nosso Underground. Maiores detalhes também podem ser obtidos no Facebook Oficial do músico.

Comente um pouco conosco como começou seu interesse pela música.

Guilherme Costa: Eu comecei a me interessar pela música aos 14 anos, meu avô me ensinou os primeiros acordes no violão e fui treinando aos poucos. Aos 15, quando ouvi Black Sabbath pela primeira vez, meu desejo em aprender guitarra despertou de fato e então comecei a fazer aulas com o professor Joel Nunes. Daí pra frente comecei a levar os estudos bem mais a sério.

Quais suas maiores influências?

Guilherme Costa: Minha maior influência é Tony Iommie posso dizer que hoje eu sou músico graças a ele. Durante meus estudos peguei muitas influências também de Glenn Tipton e Synyster Gates. Como compositor tenho como maior influenciador Joe Satriani.

Por qual motivo, ao invés de ter uma banda, resolveu desenvolver uma carreira solo?

Guilherme Costa: Essa ideia surgiu quando eu comecei a desenvolver minhas próprias composições. Muitas das minhas ideias, às vezes, não se aplicavam muito bem nas propostas das bandas que participei. Muitas coisas que eu almejava para minha carreira também não seriam possíveis desenvolver com algumas bandas, pois nem todos os membros possuíam o mesmo foco que eu. Sendo assim acabei desenvolvendo minha carreira solo, que pra mim foi a melhor forma de colocar minhas ideias em prática.



“The King’s Last Speech” é o primeiro trabalho da sua carreira. Quais os resultados deste lançamento?

Guilherme Costa: O primeiro deles foi o início do trabalho com o assessor Rômel Santos, que acreditou muito no meu trabalho e lançamos o EP através da Dunna Records. Após o lançamento do disco, lancei também o videoclipe da música “Come On And Play” produzido pela BigBoss Produções. Na sequência muitos sites fizeram reviews do disco e felizmente foi muito bem elogiado e recebido pela galera. Hoje também muitos estão ansiosos pelo CD Full que estou preparando para gravar e lançar no início de 2019.

Quais os principais obstáculos/dificuldades ao lançar este material?

Guilherme Costa: A principal dificuldade que eu precisei lidar foi com relação a parte criativa do trabalho, pois eu precisei compor todas as linhas instrumentais das músicas, apesar de muitas delas terem sofrido alterações na produção do disco.

Pretende, futuramente, adicionar vocalizações nas composições?

Guilherme Costa: Sim! Inclusive no meu CD Full terão algumas participações de cantores e nos próximos lançamentos pretendo fazer músicas e/ou álbuns/EPs divididos entre músicas cantadas e músicas instrumentais.

Quais os planos futuros?

Guilherme Costa: Após o lançamento do álbum Full pretendo fazer uma turnê de divulgação com shows e workshops por várias cidades do Brasil e poder divulgar o disco internacionalmente também. E penso em fazer algumas parcerias com artistas/empresas e lançar um curso de guitarra online que estou preparando.

Estamos encerrando nossa breve conversa e gostaríamos que você deixasse um recado aos seus fãs e seguidores. O espaço é seu.

Guilherme Costa: Gostaria de agradecer muito a vocês pela oportunidade de dar esta entrevista. Agradecer também a todos que estão acompanhando meu trabalho nas redes sociais e nos shows que realizo em Belo Horizonte. Ano que vem aguardem um material inédito que será recheado de novidades e muito Rock N’ Roll pra vocês!

Foto: Vinícius Caricatte



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Iron Kobra - Kerker & Drachen

Initiate Decay - Awaken the Extinction

Invokaos - Entrevista com Alexandre Jansen