Deep Memories


Em março de 2005, o músico e produtor Douglas Martins se desligou do Desdominus, banda de Death Metal de Americana, interior de São Paulo. Ele continuou compondo material e acabou montando um novo projeto chamado DEEP MEMORIES. Trata-se de uma One Man Band cuja proposta é fazer uma sonoridade que mescla Doom, Death e Black Metal Melódicos. Prestes a lançar o primeiro Full, o músico concedeu uma rápida entrevista ao VIOLENT NOISE e nos dá detalhes sobre sua nova empreitada.

Confiram a entrevista e não deixem de apoiar a banda e o nosso Underground. Maiores detalhes sobre o projeto também podem ser obtidos através do Facebook oficial.

Como surgiu a ideia de montar o DEEP MEMORIES?

Douglas Martins: Sempre tive uma ânsia muito grande de compor e gravar um álbum inteiro sozinho. Quando ouvia o "Twilight of the Gods" do Bathory, me impressionava em como uma obra prima daquela havia sido executada por uma única pessoa. Eu imaginava: Será que eu sou capaz de fazer o mesmo?
Mesmo antes de sair da Desdominus, em 2005, eu já me interessava bastante por produção, técnica de som e gravação. No "Without Domain", lançado em 2003, antes de gravarmos em estúdio fiquei na linha de frente da pré-produção com um computador bem antigo que eu tinha na época e depois, durante as gravações dele, também ajudei na mixagem.  Esses fatores fomentaram a ideia de consolidar um projeto, unindo três itens que adoro fazer que é compor, tocar e produzir.

Porque criar uma One Man Band ao invés de uma banda com vários integrantes?

Douglas Martins: Muita gente tem me perguntado isso! O principal fator foi buscar a realização de um sonho, sempre imaginei se seria capaz de fazer um álbum completo sozinho e acabei me deparando com uma gama bem variada de emoções, que acabaram se transferindo para o processo criativo de composição, execução e produção.
Compor com outras pessoas é mágico, cada um apresenta uma ideia e imprime ali parte de sua personalidade. Já compor e gravar sozinho é escavar suas mais profundas inspirações, você se vê no limite o tempo todo, ainda mais para uma pessoa perfeccionista como eu. Mergulhei em um turbilhão de sentimentos. Quando me deparei em estúdio novamente, me vi de frente com meus limites, como músico, como produtor e até como membro da sociedade, pois é um momento de introspecção muito forte, são horas e horas de dedicação e o mundo não para, a família continua ali, o trabalho, as responsabilidades..., mas posso te garantir que valeu cada minuto! Tenho objetivo de permanecer desta maneira.

O DEEP MEMORIES está lançando o primeiro Full. Comente sobre a composição, criação das letras, estilo musical e temática deste material.

Douglas Martins: Em 2016 eu tinha a estrutura de 11 músicas que havia composto ao longo dos anos. Um dia meu filho, Juan Martins (17 anos), que é autodidata no violão/guitarra chegou e me mostrou alguns riffs incríveis que ele tinha feito, tocamos algumas vezes aqueles riffs e acabei complementando a composição e concluindo a canção – e foi ali que a chama se reacendeu!
Algumas semanas depois eu já estava praticando minhas velhas composições e iniciei o processo de aquisição dos equipamentos para meu Home Studio.
Revisitar minhas composições foi como reencontrar um irmão que não via há muitos anos. Percebi que a inspiração ainda estava ali e já fazia mais de 12 anos que havia deixado a Desdominus. Naturalmente muitos trechos se alteraram durante as gravações.
Sempre gostei muito de compor baseado nos sentimentos do momento, no improviso. Deixava rolando a base e ia gravando novas melodiais, depois aprimorava os detalhes, acrescentava os elementos (dobras de guitarras, teclados, solos), enfim, ia dando vida para a composição.
O estilo musical gira em torno do Doom Metal dos anos 90 com grandes influências de Melodic Death Metal e também de Black Metal mais cadenciado e melódico.
Na parte temática, as letras versam sobre minhas experiências pessoais, sempre relacionadas a acontecimentos que marcaram minha vida, momentos que foram difíceis de ser vivenciados e superados. As 5 primeiras canções do álbum falam sobre um mesmo tema. Basicamente conta a história de um homem que percebe estar em seus últimos momentos de vida e acaba por morrer, encontrando no post mortem uma série de surpresas e revelações inesperadas.

Este primeiro Full será lançado simultaneamente no Brasil e Japão. Como seu deu este processo?

Douglas Martins: Concluí o álbum em março de 2018 e após isso comecei a buscar selos para o lançamento do material. O primeiro selo que fechei foi com a Heavy Metal Rock de Americana/SP que dispensa  apresentações. Na sequência  iniciei o envio do álbum para mais de 50 selos ao redor do mundo e a Invasion of Solitude Records de Tóquio demostrou interesse imediato. Acertamos para que o álbum fosse lançado simultaneamente no Brasil/Japão em setembro de 2018.
Ainda assim permaneci enviando o álbum para alguns selos e acabei intermediando uma parceria entre Misanthropic Records de Brasília e a Heavy Metal Rock, aumentando a tiragem do álbum e conseqüentemente sua divulgação. Além disso, o álbum será lançado em todas as plataformas digitais em Outubro.

Antes de sair o primeiro álbum, você irá lançar um EP. Comente sobre este lançamento.

Douglas Martins: Quando entreguei o material para a Heavy Metal Rock conversávamos sobre qual seria a melhor maneira de conseguirmos atingir amplamente o público que realmente curte Metal Extremo, levando em consideração de que o nome da Deep Memories era totalmente desconhecido na cena e ainda não tínhamos sequer lançado as redes sociais.
Foi onde surgiu a ideia de lançarmos um EP para ser distribuído para os clientes da Heavy  Metal Rock/Misanthropic Records que realizassem compras até o lançamento do álbum, aproveitando  para  enviar cópias à mídia especializada e também disponibilizar às distribuidoras parceiras das duas gravadoras para repassarem aos seus clientes.
O nome do EP é "IN TOO DEEP..." e contará com uma arte distinta da arte do álbum. Os títulos das faixas do EP são: “When the Time for My Last Breath Comes” e “The Bitter Taste Of Illusion”.
A data prevista do lançamento do EP é 03 de Julho, porém dia 21 de Junho será divulgado o primeiro Music Vídeo da composição “The Bitter Taste of Illusion”.
Muitas pessoas estão me pedindo para que este material seja vendido. Estamos avaliando qual a melhor maneira de viabilizar isto, pois são apenas duas músicas! Talvez façamos a venda com um custo simbólico (custeio do frete), mas ainda estamos avaliando.


Quais as bandas que mais inspiram e influenciam a sonoridade do seu projeto?

Douglas Martins: A minha maior inspiração vem das bandas que me trouxeram para o Metal como Iron Maiden, Black Sabbath e Megadeth. Essas bandas me inspirarão sempre!
Na parte de influências e sonoridade posso citar Rotting Christ, Dark Tranquillity, Theatre of Tragedy, Bathory, Dimmu Borgir, Whitin Temptation, Katatonia e Hipocrisy.

Como você enxerga o atual cenário da música pesada no Brasil?

Douglas Martins: Sempre tive uma visão muito positiva do cenário brasileiro, bandas de mais de 25 anos de estrada permanecem lançando álbuns muito bons. Os principais nomes brasileiros reconhecidos mundialmente infelizmente ainda são poucos, com destaque para o Krisiun, Sepultura e o Angra, monstros consagrados e que lançaram álbuns incríveis nos últimos anos!
Já a cena Underground me deixa cada vez mais orgulhoso em termos de bandas. Uma banda nova que me impressionou muito foi o Sculpture, que lançou recentemente um álbum de Post-Black  Metal instrumental incrível! Outra que me chamou muito a atenção e também é uma One Man Band é o Myrkgand. Além de bandas Old School brasileiras como Miasthenia, As Dramatic Homage, Funeratus, Mysteriis, que irá lançar álbum novo este ano, o Mystifier, que assinou merecidamente  com a grande gravadora Season of Mist. Enfim, o Brasil continua firme no Metal!

Estamos finalizando nossa conversa e gostaríamos, como tradicionalmente fazemos, que você deixasse um recado aos fãs do Metal e seguidores do DEEP MEMORIES.

Douglas Martins: Muitas novidades sobre a Deep  Memories chegarão em breve, por isso fiquem ligados em nossas redes sociais (Facebook, Instagram, Reverbnation e Bandcamp)!

Valeu Pierre e Violent Noise!

Fotos: Arquivo da banda


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Invokaos - Entrevista com Alexandre Jansen

MUFA

Superchiadeira - Superchiadeira