Bate Apanha


Formado em 2016, o BATE APANHA é um quarteto de Hardcore oriundo de Mogi Mirim/SP. Estes rapazes fazem um som vigoroso, potente e repleto de força e energia. O VIOLENT NOISE teve a grande honra de fazer uma breve entrevista com o grupo e conhecer um pouco da trajetória deles. Aqui nos relatam desde o surgimento da banda até o lançamento e repercussão do primeiro EP, além de outras curiosidades.

Confiram a entrevista e não deixem de apoiar a banda e nosso Underground. Maiores detalhes sobre o grupo também podem ser obtidos através do Facebook oficial.

Como iniciou a ideia do grupo e qual a formação de vocês atualmente?

Bate Apanha: A hipótese de montar a banda começou trocando uma ideia na barbearia do atual baixista, Julio Skullbarber. Fabiano Monstrão assumiria as guitarras, Julio, a princípio, tocaria guitarra e Júnior Céu nos vocais. Tudo era despretensioso, uma vez que cada integrante já tocava em outras bandas e todos tinham conhecimento desses projetos. A formação na qual iniciamos o grupo teve alterações mesmo antes de começarem os ensaios, assim eliminamos uma guitarra e optamos em fazer um som mais Old School com muito peso. Dessa forma, o Djamy Barba (Collapse NR, GodZilla) assumiu as baquetas e o Juninho (Céu em Chamas) o baixo. Passado alguns ensaios, o Julio Skullbarber assumiu o baixo e estamos na seguinte formação até hoje.

Júnior Céu – Vocal, Fabiano Monstrão – Guitarra, Djamy Barba – Bateria e Julio Skullbarber – Baixo.

Como se deu a escolha do nome?

Bate Apanha: O nome veio baseado em uma música do Point of no Return, que é uma banda referência na cena do Hardcore no Brasil. Esse nome retrata exatamente a situação da população que hora BATE (trabalha e se esforça para realizar suas conquistas) e quase sempre APANHA (é roubada, ignorada, humilhada, desrespeitada). É a nossa dura realidade e vivemos diariamente um ciclo de BATE  APANHA.

Quais as principais influências musicais da banda?

Bate Apanha: Madball, Terror, Lionheart, Questions, Biohazard, Sick of it All, Slayer, Point of  no Return, Clearview, Bayside Kings, Institution, Carather, Hatebreed, First Blood, Nueva Etica, Get the Shot, Krisiun, Heaven Shal lBurn, Otra Salida, etc.

Recentemente vocês lançaram o EP "Respeito, Honra e Luta". Que resultados este material trouxe para o grupo?

Bate Apanha: O EP acabou expandindo o nome da banda para as capitais e o som chegando aos ouvidos de músicos já consolidados na cena underground e tivemos um feedback muito positivo de cada um. Fizemos muitas amizades e esperamos, em breve, dividir o palco com todas essas bandas. Saímos também em uma coletânea internacional - Hardcore Still Lives 12. Aos poucos estamos conquistando o espaço no cenário.



Como se dá o processo de composição e criação das letras?

Bate Apanha: As letras são escritas pelo nosso Vocalista Júnior Céu baseadas em situações do cotidiano e aquelas também que são pouco noticiadas. Queremos dar voz e levantar questões sociais que ainda são assombrosas no país. O pobre desrespeitado em qualquer lugar, o negro sofrendo preconceito na rua e no trabalho, o gay levando porrada, assassinato sem motivo, assalto pelo êxtase, roubalheira na política, um sistema que corrompe e é corrompido. E quem sempre paga por tudo isso? Somos nós. As letras retratam um pouco disso e nossa extrema indignação. O processo da composição fica um pouco mais simples uma vez que cada integrante leva um riff de  guitarra, uma linha de bateria, um solo de baixo. Há muita conversa durante os ensaios e chegamos em um consenso em cada composição que, na maioria das vezes, tem a opinião de todos. Também houve casos do Djamy Barba chegar com um desenho de um som pronto na cabeça (baixo, guitarra, bateria) e somente passou os riffs para o resto da banda, e foi só encaixar a letra.

Como vocês enxergam hoje o cenário Hardcore no Brasil?

Bate Apanha: Hoje em dia a cena diminui muito ou foi restringida pelas próprias bandas. Há aquela politicamente correta, há aquela que bota pra fuder e isso faz crescer aqueles grupinhos que seguem uma ou outra banda e com isso acabam ignorando a união, gerando assim um impacto diretamente no cenário. Acho que precisa ter mais respeito sem que haja preconceito ou um prejulgamento de cada um a respeito de atitudes e estilos de cada banda. Variar estilos, mudar o line-up, integrar bandas que estão surgindo com bandas já conhecidas no cenário, isso agrega muito para a cena e para as bandas que estão começando.

Falem sobre os futuros planos do BATE APANHA.

Bate Apanha: Nosso plano, a curto prazo,é subir cada vez mais nos palcos e conhecer várias bandas do cenário para fortalecer e agregar na cena. A longo prazo queremos gravar um Full álbum com novas músicas, mostrando assim o amadurecimento da banda.

Para encerrar nossa conversa, mandem um recado aos fãs do grupo e apreciadores do Hardcore.

Bate Apanha: Sigam o BATE APANHA nas redes sociais, compareçam aos shows undergrounds da sua cidade ou região, compre os merch das bandas, isso tudo ajuda para que o grupo sobreviva e a cena fique cada vez mais forte. Existem vários roles de graça e que o pessoal não comparece, depois reclama que não tem nada pra fazer. Vamos comparecer aos shows rapaziada, é nui!!!

Fotos: Arquivo da banda

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Iron Kobra - Kerker & Drachen

Initiate Decay - Awaken the Extinction

Invokaos - Entrevista com Alexandre Jansen